Pular para o conteúdo principal

Truco.

Inquérito internacional revela que maioria dos europeus e americanos rejeita liderança da Rússia e da China
A maioria dos europeus e os norte-americanos não aprova uma intervenção na Síria.
A 12ª edição do inquérito anual internacional, “Transatlantic Trends”, divulgado hoje, em Lisboa, pela Fundação Luso-Americana (FLAD), revela que 72% dos europeus e 62% dos americanos inquiridos não são a favor de que os seus governos participem no conflito.
Por outro lado, menos de metade dos americanos (47%) diz preferir a democracia à estabilidade nos países de Norte de África e Médio Oriente onde têm ocorrido convulsões sociais, no âmbito da chamada Primavera Árabe. Opinião inversa tem a maioria dos inquiridos europeus: 58% considera a democracia mais importante que a estabilidade, nesses países.
Apesar de tanto europeus como americanos condenarem uma intervenção militar na Síria, liderada e pressionada pela administração Obama, a maioria (55%) dos inquiridos no Velho Continente diz ser desejável que os Estados Unidos exerçam uma forte liderança nos grandes temas globais, sentimento semelhante ao manifestado em 2012. 
De resto, e de acordo com o inquérito, quase três em cada quatro europeus (70%) continuam a ter opinião favorável dos Estados Unidos e 69% aprovam a política internacional do presidente Barack Obama, embora as opiniões em cada um dos países da Europa variem muito. Nesta último ponto, Portugal encontra-se um pouco acima da média, com 75% dos entrevistados a mostrarem-se favoráveis às políticas do chefe de Estado norte-americano.
Por outro lado, o apoio à liderança da União Europeia (UE) na cena mundial também se mantém forte, com 71% dos europeus e 57% dos americanos a afirmar ser desejável uma liderança forte da UE. Dentro do espaço comunitário, esse apoio subiu no Reino Unido (60%), mas desceu na França (68%) e na Espanha (56%).
Já em relação ao peso de outras potências no plano geoestratégico, americanos (46%) e europeus (65%) manifestam oposição a uma liderança global russa. Opiniões negativas sobre a Rússia foram registadas em 59% dos americanos inquiridos, 62% (mais 7 pontos percentuais que em 2012) dos europeus.
A posição é semelhante quando se trata de avaliar uma liderança global chinesa, questão que surgiu pela primeira vez num inquérito “Transatlantic Trends”. Pouco menos de metade dos inquiridos americanos (47%) disse ser algo indesejável, tal como 65% dos europeus. Da mesma forma, 58% dos entrevistados nos Estados Unidos e 60% dos europeus revelaram ter uma visão desfavorável da China


Meio a Meio



Postagens mais visitadas deste blog

Silencie as guerras !

As lagrimas devem parar. 

Esta obra entrará para os anais e menstruais de Sucupira e do país.

Antes da copa depois da copa .
“DUZENTOS E UM milhões em ação, pra frente Brasil do meu coração. [...] De repente é aquela corrente pra frente parece que todo o Brasil deu a mão. Todos unidos na mesma emoção, tudo é um só coração. Todos juntos vamos, pra frente Brasil, salve a seleção.”
Triste sina do brasileiro sem metro , sem ônibus, sem carro, sem bicicleta, sem jumento sem dinheiro no bolso, mas feliz finalmente ela chegou, será que Miguel Gustavo teria a mesma alegria gerada em 1970 para compor está letra. Só mudei a quantidade no inicio me perdoe Miguel. Geralmente gosto de futebol embora nunca tenha sido bom nisso sempre jogava uma pelada de domingo a domingo hoje me coloco como mero espectador sou Curintiano até morrer como fala o povo, mas vou assistir aos jogos da seleção e torcer para que este seja o ano da copa da cozinha da sala dos quartos o povo merece , mas depois da copa como serão usados os estádios o Itaquerão  nem pensar em demolição morro grudado as paredes mas c…

A sexta extinção.

Estudo desenvolvido por cientistas do México e EUA nota que no último século os vertebrados têm estado a desaparecer a um ritmo 114 vezes superior ao do passado.

Podemos concluir com elevado grau de certeza que as taxas de extinção modernas são excepcionalmente altas, que estão a aumentar e que sugerem que está em marcha uma extinção em massa”, dizem os autores da equipa liderada por Gerardo Ceballos, no estudo publicado na Science Advances. Esta será, lembram, a sexta extinção do gênero nos 4,5 mil milhões de anos de história do planeta Terra

“São incontestáveis as provas de que as taxas de extinção recentes não têm precedente na história do homem e são altamente incomuns na história da Terra”, afirmam os autores, acrescentando que a sua análise permite concluir que “a nossa sociedade global começou a destruir outras espécies a um ritmo acelerado, iniciando um episódio de extinção em massa nunca visto em 65 milhões de anos”.
Leia o link abaixo.
http://advances.sciencemag.org/content/1/5…