Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

Educação, cultura e diminuição da fome mundial que é bom nada.

A globalização e liberalização, como motores do crescimento econômico e o desenvolvimento dos países, não reduziram as desigualdades e a pobreza nas últimas décadas, segundo livro divulgado neste sábado pela ONU (Organização das Nações Unidas).

A publicação, que leva o título "Flat World, Big Gaps" (Um Mundo Plano, Grandes Disparidades, em tradução livre), foi editado por Jomo Sundaram, secretário-geral adjunto da ONU para o Desenvolvimento Econômico, e Jacques Baudot, economista especializado em temas de globalização.

Seu lançamento coincide com a realização da 45ª sessão da Comissão sobre Desenvolvimento Social da ONU, que revisa os objetivos da cúpula mundial de Copenhague de 1995.

"A redução da desigualdade não está separada de questões como a pobreza e a falta de emprego", disse Baudot. "A idéia do livro é recuperar e situar como uma prioridade na agenda internacional o vínculo existente entre estes indicadores."

Para Baudot, centrar as atividades para r…

Truco.

Inquérito internacional revela que maioria dos europeus e americanos rejeita liderança da Rússia e da China A maioria dos europeus e os norte-americanos não aprova uma intervenção na Síria.
A 12ª edição do inquérito anual internacional, “Transatlantic Trends”, divulgado hoje, em Lisboa, pela Fundação Luso-Americana (FLAD), revela que 72% dos europeus e 62% dos americanos inquiridos não são a favor de que os seus governos participem no conflito.
Por outro lado, menos de metade dos americanos (47%) diz preferir a democracia à estabilidade nos países de Norte de África e Médio Oriente onde têm ocorrido convulsões sociais, no âmbito da chamada Primavera Árabe. Opinião inversa tem a maioria dos inquiridos europeus: 58% considera a democracia mais importante que a estabilidade, nesses países.
Apesar de tanto europeus como americanos condenarem uma intervenção militar na Síria, liderada e pressionada pela administração Obama, a maioria (55%) dos inquiridos no Velho Continente diz ser de…