Pular para o conteúdo principal

A inclusão digital não afeta somente os mais carentes do ponto de vista socioeconômico, mas os trabalhadores das empresas, os indivíduos com necessidades especiais, muitos alunos e educadores que ainda não têm a oportunidade de trabalhar com esses recursos tecnológicos. Também não e um problema restrito ao nosso país Mesmo em países mais desenvolvidos, com melhor distribuição de tecnologia, a inclusão digital, ou digital divide, como é chamada, é uma preocupação que tem merecido a atenção de pesquisadores e entidades da sociedade civil. Primeira inclusão é um termo relativo, dependendo do ponto de vista de cada um. Isso significa que ele se aplica a todos nós, já que de alguma forma nos consideramos excluídos Por exemplo particularmente sou um excluído por não entender de astrofísica por não ser capaz de ler uma partitura musical. Muitos executivos bem sucedidos do mundo empresarial são excluídos do meio acadêmico, do mesmo modo que muitos acadêmicos não entram no mundo empresarial. No outro extremo temos pessoas que são excluídas por não dispor do mínimo necessário para ter uma sobrevivência digna do ponto de vista alimentar, de moradia ou mesmo educacional. Ou seja, a inclusão de qualquer natureza tem um limite inferior, porém não tem um limite superior mesmo tendo muito, ainda nos consideramos excluídos. Ela pode ocorrer por opção ou por normas impostas pelo meio em que vivemos. No caso opção, a exclusão acontece por livre escolha de cada um. Embora considerado excluído do mundo da astrofísica, isso não me afeta, já que, por opção, decidi não adentrar nossa área. As condições impostas pelo meio já são mais difíceis de serem vencidas e constitui em as fontes de exclusão. Se não houver um movimento para flexibilizar ou eliminar essas normas, elas acabam se constituindo em muralhas intransponíveis, para o ser humano tornando sua vida cheio de barreiras as quais sem uma devida orientação poderá levá-lo a uma marginalização e a um convívio a margem da sociedade.

Referências biográficas

José Armando Valente (UNICAMP)

Livro Inclusão Digital

Tecendo Redes Afetivas/Cognitivas.

Bom nosso projeto ( Projeto Transporte) sai até o meio do ano que vem se quizer e puder ajudar entre em contato comigo pois carecemos de pessoas que acreditam em quem não se acredita mais os que estão a margem da sociedade eu estou nessa até o fim participe !

E-mail juvenalsandrobispo@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

Silencie as guerras !

As lagrimas devem parar. 

Esta obra entrará para os anais e menstruais de Sucupira e do país.

Antes da copa depois da copa .
“DUZENTOS E UM milhões em ação, pra frente Brasil do meu coração. [...] De repente é aquela corrente pra frente parece que todo o Brasil deu a mão. Todos unidos na mesma emoção, tudo é um só coração. Todos juntos vamos, pra frente Brasil, salve a seleção.”
Triste sina do brasileiro sem metro , sem ônibus, sem carro, sem bicicleta, sem jumento sem dinheiro no bolso, mas feliz finalmente ela chegou, será que Miguel Gustavo teria a mesma alegria gerada em 1970 para compor está letra. Só mudei a quantidade no inicio me perdoe Miguel. Geralmente gosto de futebol embora nunca tenha sido bom nisso sempre jogava uma pelada de domingo a domingo hoje me coloco como mero espectador sou Curintiano até morrer como fala o povo, mas vou assistir aos jogos da seleção e torcer para que este seja o ano da copa da cozinha da sala dos quartos o povo merece , mas depois da copa como serão usados os estádios o Itaquerão  nem pensar em demolição morro grudado as paredes mas c…

A sexta extinção.

Estudo desenvolvido por cientistas do México e EUA nota que no último século os vertebrados têm estado a desaparecer a um ritmo 114 vezes superior ao do passado.

Podemos concluir com elevado grau de certeza que as taxas de extinção modernas são excepcionalmente altas, que estão a aumentar e que sugerem que está em marcha uma extinção em massa”, dizem os autores da equipa liderada por Gerardo Ceballos, no estudo publicado na Science Advances. Esta será, lembram, a sexta extinção do gênero nos 4,5 mil milhões de anos de história do planeta Terra

“São incontestáveis as provas de que as taxas de extinção recentes não têm precedente na história do homem e são altamente incomuns na história da Terra”, afirmam os autores, acrescentando que a sua análise permite concluir que “a nossa sociedade global começou a destruir outras espécies a um ritmo acelerado, iniciando um episódio de extinção em massa nunca visto em 65 milhões de anos”.
Leia o link abaixo.
http://advances.sciencemag.org/content/1/5…