Entender o que se passa no Brasil e obrigação de todo brasileiro!

NIVALDE JOSÉ DE CASTRO é professor e coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.
O Brasil é um país emergente. Precisa melhorar seus padrões socioeconômicos e superar desigualdades. Para tanto, precisa aumentar sua produção industrial e multiplicar a oferta de serviços. E, sem expandir a produção de energia elétrica, não conseguiremos atingir estes objetivos.
Diferentemente do resto do mundo, o Brasil tem uma matriz elétrica com 87% de fontes limpas e renováveis, enquanto o resto do mundo tem apenas 19%. E o país ainda possui o terceiro maior potencial hídrico do mundo, de 160 mil MW, abaixo somente da Rússia e da China.
Frente a estas necessidades e com uma matriz limpa e sustentável, a construção de Belo Monte vem sendo criticada por poder causar impactos ambientais e sociais irreversíveis. Como alternativa seria possível atender a demanda de eletricidade somente com energia eólica, biomassa e solar. As críticas e a solução indicada não são consistentes. Em relação aos impactos ambientais, as grandes usinas — Santo Antônio, Jirau, Teles Pires e Belo Monte — estão sendo construídas respeitando rigorosamente a Constituição de 1988 e a legislação ambiental. Esses empreendimentos aplicam 15% do custo total da obra em ações compensatórias, recuperando a flora e a fauna, e aplicando recursos em programas socioambientais, além de ações específicas em educação, saneamento básico e outras melhorias na qualidade de vida das populações locais (índios, ribeirinhos, citadinos) dos municípios afetados pelas usinas.
A legislação ambiental é rigorosa no que se refere à área inundada. Por força desta condicionante legal, Belo Monte, uma usina do tipo “fio d’água”, possui reservatório ultrarreduzido onde a eletricidade é produzida pela força horizontal do fluxo e volume de água. Irá produzir energia a R$ 80 por MW em contratos de 30 anos garantindo às futuras gerações a certeza de que sua eletricidade será econômica, limpa e sustentável. Não é por outro motivo que países desenvolvidos, como a França, esgotaram seu potencial hídrico antes de recorrer à energia nuclear, fonte que hoje responde por 80% da eletricidade nesse país. Não se trata, por fim, de subtrair, do planejamento do setor elétrico, as energias renováveis (eólica, biomassa e solar), apesar do custo mais alto, mas buscar um mix eficiente dessas fontes, onde a usina hidrelétrica é a melhor opção econômica. Belo Monte será a terceira maior usina do mundo e permitirá ao Brasil garantir seu suprimento de energia com modicidade tarifária e promoção da sustentabilidade ambiental.

Sítio Belo Monte
Um projeto complexo como o da Usina Hidrelétrica Belo Monte, com estudos que se estenderam por mais de 30 anos antes do início das obras, rendeu a edição da cartilha Conheça a UHE Belo Monte, que irá contribuir com o debate sobre sua construção, no Rio Xingu. O material, elaborado pela Norte Energia S.A., já está em sua segunda atualização, trazendo informações técnicas sobre o empreendimento, tanto do ponto de vista da engenharia quanto dos benefícios socioambientais que levará àquela região do Pará. O texto foi traduzido para os idiomas Inglês e Espanhol, de forma a esclarecer os principais aspectos da usina ao maior número de interessados.
Não deixe de ler:
Baixe a cartilha em Português
Download the booklet in English
Descargue el folleto en Español


http://www.blogbelomonte.com.br/2011/11/18/conheca-a-uhe-belo-monte/

Encontre as respostas neste link!

Postagens mais visitadas